Pedalando pelo GR28

A serra a arder perto do Merujal, 07 de Agosto de 2010.

Serra do Gerês

Caminhando entre Garranos, de 07 a 08 de Maio de 2005.

Serra de São Macário

Escalada na Pena, 15 de Setembro de 2013.

Serra da Estrela

I Travessia em autonomia total - Guarda - Loriga, de 12 a 16 de Abril de 2004.

Linha do Dão - Ponte de Nagoselas

Travessia BTT pelas Linhas do Dão e Vouga, de 09 a 11 de Abril de 2009.

Caminhos de Santiago

Travessia do Rio Lires no Caminho de Finisterra, de 29 a 31 de Julho de 2010.

Serra de Montemuro

Nas Minas de Moimenta, 29 de Janeiro de 2011.

Linha do Corgo - Ponte do Tanha

Travessia da Linha do Corgo, de 06 a 10 de Outubro de 2013.

Serra do Caramulo

Nas neves do Caramulo com vista para a Serra da Estrela, 04 de Dezembro de 2010.

Aldeias Históricas

De BTT em autonomia total pelo GR22, de 28 de Abril a 01 de Maio de 2006.

Linha do Corgo...

26/09/2009

Multiactividade na Serra da Freita

A pedido do nosso amigo Amaral fomos até à Serra da Freita para fazer uma pequena caminhada e iniciarmos mais um conjunto de amigas e amigos nas andanças da Escalada.
Após a reunião junto ao Parque de Campismo do Merujal, pelas 09h30, iniciámos então a caminhada em direcção a Albergaria da Serra e daí entrámos pela serra seguindo a levada de água que segue até ao rio Caima e se dirige depois à aldeia atrás citada.
O grupo de caminheiros composto por velhos "espíritos" (Calé, Pina Jorge, Amaral e Hugo) e por novos "espíritos" em fase de iniciação em novas modalidades (Luís, Sara, Fátima, Manuela, Carmo e Ruka) concluíram a caminhada com demasiada rapidez, quase não deixando que os pré-reformados (Natália, Cardoso e Vicente), encarregados de levar os carros com o material até à zona de escalada, se deliciassem com as suas sandochas de presunto e respectivas cervejinhas.
Imagino o quanto dolorosa deve ter sido esta parte, enquanto nós sofríamos a escolher as melhores passagem pelo tojo de modo a que este arranhasse as pernocas das nossas caminheiras (eheheeheheh).
De novo reunidos, agora na escola de escalada e com o material prontinho, lá pusémos o incansável do Pina Jorge a explicar o que se ia passar, o nome dos materiais e as suas funções e iniciámos a abertura da primeira via.
Notava-se a apreensão nos rostos daqueles que nunca se tendo visto nestas andanças viam chegada a hora de se sentirem pendurados por umas corditas tão fininhas numa parede tão alta.
A primeira a aventurar-se foi a Fátima e todos os outros se lhe seguiram com êxito. O medo inicial deu lugar ao prazer do desafio e todos os novatos acabaram por repetir a experiência. No final todos nós acabámos por fazer o gostinho ao dedo "trepando" rocha acima e rocha abaixo, até que chegou a horinha de recompôr o estômago. Assim o fizémos com uns nacos de carne grelhados e muito vinho e cerveja à mistura.
Pareceu-me que temos novos "viciados(as)" na pedra, mas o tempo o dirá...

19/09/2009

BTT nocturno e diurno na Serra da Freita


Ontem (Sexta-feira) partimos (Calé, Cardoso, Vicente, Amaral e Hugo) para a Serra da Freita para mais uma actividade nocturna e outra diurna no Sábado.
A ideia era fazer uma BTT nocturna na sexta e escalar no Sábado mas as condições atmosféricas previstas e depois verificadas no local excluiram logo a hipótese da escalada, pelo que concentrámo-nos na BTT.
Chegados ao Parque de Campismo do Merujal tratámos de comer qualquer coisa e tomámos a decisão de alugar um bugalow, dado que ficar nas tendas parecia ser pouco agradável.
Um nevoeiro cerrado e uma chuvinha miúdinha tinham-se instalado na serra e a noite prometia ser fresca e molhada.
Comidas umas sandochas e bebidas umas cervejolas, lá fomos para o bugalow arrumar as tralhas e preparar os equipamentos para a actividade nocturna.
Preparativos efectuados e bikes prontas faltava apenas que o Marco e o Pompílio chegassem para que o grupo ficasse completo e pudéssemos partir para uma aventura nocturna com uma visibilidade a tender para o zero.
Reunido todo o grupo lá partimos cerca das 22h20. A primeira parte decorreu por estrada numa longa subida, que serviu para aquecer bem os participantes, seguida de uma longa descida feita em ritmo lento e cuidadoso atendendo a que a dificuldade em ver a estrada era grande.
As luzes das bikes e dos frontais eram reflectidas pelo nevoeiro e ainda dificultavam mais a visão, obrigando-nos a desligar as de maior potência.
Acabada a descida entrámos pelo trilho que nos permitiu regressar à Mizarela, mas onde por entre as giestas a visão ainda se complicou. A chuva caía certinha sobre nós encharcando-nos e o trilho com pontos de pedra solta implicava cuidados redobrados. O Vicente a certa altura substituiu-me na função de primeiro do grupo, dado que a atenção em perceber por onde passava o caminho e evitar os obstáculos me começava a cansar.
Calmamente fomos evoluindo no trilho até que cerca das 23h45 chegámos ao Parque de Campismo, sãos e salvos, e encharcadinhos até aos ossos.
Despedimo-nos do Marco e do amigo que regressaram a casa e fomos tratar da higiene e vestir roupa seca e quente.
Uns rissóis, umas cervejas, melão e whisky ajudaram a retemperar as forças.
Chegou a hora de dormir, enfiados nos sacos-cama sobre as camas dos beliches, e cada um tentou dormir como pôde.
Hoje (Sábado) acordámos cedo com um dia aparentemente mais bonito, onde o Sol chegava a espreitar por entre a névoa.
A chuva que se verificou deixou-nos como alternativa à escalada a BTT. E assim o fizémos. Tomado o pequeno-almoço partimos em direcção a Albergaria-da-Serra e daí à Portela da Anta. Seguimos então em direcção ao Couto do Boi onde efectuámos uma boa descida até à estrada e daí seguimos a caminho de Espinho e dos viveiros da Granja, onde parámos para recuperar forças e comer qualquer coisa. Depois foi seguir o trilho percorrido na noite anterior e ver a cara daqueles, que o não reconheciam, ao saber que era o mesmo trilho da véspera. Nem parecia o mesmo, pelo menos agora via-se bem o trilho, a serra e as aldeias ao fundo no vale.
Chegados ao parque de campismo, mudámos de roupa e arrumámos o material e fomos todos comer uma bela vitelinha, bem regada, que isto de andar de bike para além de cansativo abre também o apetite e dá cá uma sede...


13/09/2009

Caminhada pela Mata do Buçaco




Hoje eu a Natália e os nossos cães fomos fazer uma bela caminhada (ou cãominhada) pela Mata do Buçaco. Aproveitei para fotografar o inúmero património que se encontra pelo caminho e que infelizmente se encontra muito degradado.
As inúmeras espécies de árvores, arbustos e plantas que por lá abundam, e que segundo dizem algumas raras, também me parece que mereciam melhor tratamento.

Parece-me que mais uma vez temos nesta mata um valioso património cultural, monumental, histórico e natural que se degrada dia a dia sem que haja algum tipo de intervenção.

Fotos

12/09/2009

Passeio BTT "Slowdown" - Águeda

Por Vicente.
Este passeio BTT, por amável convite da Loja de Bikes "SLOWDOWN" de Águeda, contou com dois elementos do núcleo duro do "espírito", eu e o Amaral, mas também com alguns elementos que já nos têm acompanhado nas actividades que realizamos.

Assim, o nosso grupo teve a participação dos seguintes elementos: Carmo, Fátima, Manuela, Sara, Mário Jorge, Hugo, Rui, Ruca, Amaral e Vicente.
Iniciámos o evento com uma visita à espectacular loja, que representa algumas das melhores marcas de bikes e acessórios do universo BTT, acompanhado com um pré-reforço de café e bolos.
Pelas 10h começou o passeio que nos levou pelos excelentes trilhos da região, sempre bem apoiados pela organização, que fez questão que não faltasse nada (nem minis) para acalmar o pó que se fez sentir duramente durante a actividade.
Depois de alguns trilhos por zonas rurais acompanhando o rio, seguimos até um parque de merendas onde, por volta do meio-dia, nos esperava um autêntico banquete, o que pelos vistos agradou imenso aos elementos que estão habituados a
estas andanças e que referiram que nem nas melhores maratonas as condições são melhores.

Depois de saciados, o passeio continuou por trilhos rurais, onde os trabalhadores dos campos, amavelmente sempre paravam para nos dar passagem e saudar-nos, o que retribuíamos com alegria e respeito.
Na parte final uma pequena subida técnica fez a delicia dos mais habituados as estas andanças.
Refira-se que apesar de o grupo ser relativamente grande (50/60), houve sempre a preocupação de fazer os devidos reagrupamentos de modo a ninguém ficar para trás.
O nosso destino final era a "Festa do Leitão", em Águeda, onde tínhamos já lugar marcado pela organização. Chegámos cerca das 15h e depois de uma breve lavagem do pó acumulado na cara, fomos dar umas dentadas ao excelente leitão que nos serviram.
Num passeio de cerca de 50Kms e que contou com imensas meninas, as "nossas meninas", como já é habitual, estiveram muito bem e merecem o nosso aplauso.
Excelente Passeio/convivio BTT. Um agradecimento especial ao Pedro e à Susana pela organização e simpatia. Até à próxima.


06/09/2009

Marcha de Montanha na Serra da Estrela

O Pina Jorge desafiou-nos para mais uma Marcha em autonomia na Serra da Estrela e para além dos habituais tivémos a presença de outros amigos que já não marchavam connosco à algum tempo e uma estreia no grupo.
Assim estiveram presentes nesta actividade o Pina Jorge, Calé, Cardoso, Vicente, Rui, Borges, Marcelino, Amaral, DJ, Zé Carlos (de regresso a estas andanças) e o Hugo (em estreia com este grupo no que diz respeito a Marchas, uma vez que já esteve connosco numa BTT). Assim à partida batiamos todos os records no número de presenças numa marcha em autonomia.

Dia 0 (Sexta-feira 4/Set)
Partimos cerca das 20 horas em direcção à Pousada da Juventude das Penhas da Saúde. De Aveiro sairam o Calé, DJ, Vicente, Cardoso e Zé Carlos e do Porto/Ovar o Rui, Borges, Amaral e Hugo.
Por essa hora já o Pina Jorge estava pela serra a "espreitar" os pontos chave da nossa marcha.
Os aveirenses ao chegar ao Sabugueiro aproveitaram para comer umas sandes de queijo da serra e presunto, regado com cerveja ou tinto e finalizado com umas ginjinhas e aguardente de zimbro.
Já no final do repasto chegaram os homens do "Nuorte carago" e juntaram-se a nós na ginjinha.
Seguimos depois para a pousada onde o Pina Jorge nos aguardava, na companhia da esposa e do filho que gentilmente se deslocara à serra para nos apoiar no início da actividade.
Depois de tratadas as formalidades na pousada o Pina Jorge passou ao briefing da actividade onde falámos sobre o que iriamos fazer no dia seguinte.
Após este esclarecimento e já elucidados sobre o que nos esperava fomo-nos deitar na camarata de 10 camas que nos aguardava (bom alguns vadios ainda foram ver a noite da serra).

Dia 1 (Sábado 05/Set)
Alvorada às 6 horas, e às 7h00 partimos em direcção ao Covão d'Ametade, local de início da actividade. Aqui foi importante o apoio do filho do Pina Jorge que levou o pessoal ao local, poupando-nos uns Km's de caminhada pelo alcatrão.
Reunido o grupo partimos serra acima, primeiro em direcção à parede dos fantasmas e depois embrenhando-nos na serra a caminho da Lagoa da Paixão.
Ao chegarmos ao Ribeiro da Candeira o Borges decidiu pregar-nos um susto com uma queda que nos deixou apreensivos. Felizmente não se confirmou a entorse que temíamos.
Depois de algum descanso naquele prado, avançámos para a longa subida que nos levaria à lagoa.
O grupo demonstrou estar bem preparado e pelas 11h30 chegou à dita lagoa. Devido ao facto de lá termos chegado cedo, decidimos almoçar e descansar até às 13 horas.
Tinhamos previsto a possibilidade de estabelecer o acampamento nesta lagoa, se lá chegássemos tarde ou cansados, mas como o grupo chegou rápido e fresco partimos para o segundo ponto previsto, a lagoa das Salgadeiras.
Mais uma vez o grupo se portou bem e pelas 14h30 chegávamos ao local pretendido. Ainda se levantou a hipótese de nos aproximarmos da torre e acampar mais perto desta, mas pessoalmente acho que imperou o bom senso e cumprimos o que estava previsto.
Montámos o acampamento cedo e fomos espreitar a lagoa. Os primeiros a lá chegar logo mergulharam e nadaram nas suas águas frescas, sendo imitados, logo de seguida, pelos restantes elementos do grupo.
Depois fomos preparar o jantar, comer e contar as velhas histórias.
Bem cedo ainda nos deitámos e passámos umas longas horas deitados nas tendas, a descansar o corpo moído da marcha e das mochilas pesadas.

Dia 2 (Domingo 06/Set)
Alvorada às 6 horas, mas atendendo a que ainda era noite todos aproveitámos para ficar mais uns minutos nas tendas. Depois de preguiçar mais um pouco lá começámos, um-a-um, a sair das tocas e a começar a preparar as coisas para mais um dia de marcha.
Partimos assim em direcção à Torre e antes de lá chegar desviámos em direcção à estrada que se dirije à Covilhã.
Começava aqui a parte da aventura que se prendia com a descida para a barragem do Covão do Ferro.
Os penhascos que caracterizam aquela zona não deixavam antever qualquer facilidade e todos se sentiam um pouco apreensivos com as dificuldades que se adivinhavam.
Prevendo uma descida complicada três dos elementos, que apresentavam algumas dificuldades a nível dos joelhos decidiram, e bem, seguir pela estrada em direcção à pousada enquanto os outros oito aventureiros iniciaram a descida.
E que descida! Sob a batuta do mestre Pina Jorge, fomos descendo de rocha em rocha, escalando e destrepando passo-a-passo, pendurados nas ervas e nas raízes, pulando por cimas de buracos, passando por entre fendas das rochas e num verdadeiro trabalho de equipa, lá fomos passando e descendo os montanheiros e as suas enormes e pesadas mochilas, patamar em patamar.
Os restante montanheiros aguardavam, também eles apreensivos, que o grupo reaparecesse por detrás das massas rochosas que envolvem a linha de água. Mais de uma hora depois lá nos viram aparecer a todos, sãos e salvos, e lá respiraram de alívio. No entanto apesar da parte mais difícil e perigosa estar ultrapassada ainda não tínhamos chegado à barragem e ainda tinhamos algumas dificuldades pela frente.
Felizmente a calma, o trabalho de equipa e a mestria do mestre Pina Jorge, levou-nos para baixo
sem qualquer problema.
Já na barragem, descemos à estrada e aproveitámos para encher os cantis numa das casas que por lá existem, onde fomos muito bem recebidos e onde ainda conversámos um pouco sobre a actividade e outras possibilidades interessantes.
Entretanto o outro grupo tentava chegar à pousada para trazer os carros e recolher-nos.
Subimos então até à estrada que vem da torre onde o Zé Carlos nos aguardava com várias garrafas de água recolhida numa fonte. O Dj e o Borges tinham seguido a pé até à pousada.
Ficámos então à espera que eles regressassem com as viaturas. O Rui conseguiu também uma boleia até à Pousada.
Neste espaço de tempo pudémos fazer a boa acção do dia. Na casa onde abastecemos os cantis vive um cãozito que fugiu da mesma para perseguir o carro dos donos, acabando por vir ter connosco cá acima à estrada. Prendemos o cão e quando chegaram os carros fomos devolvê-lo aos donos levando-o a casa.
Após os carros chegarem fomos todos até à pousada onde tomámos um delicioso banho.
Acabada a actividade estava na hora do convívio gastronómico que nos é habitual. O lugar escolhido foi o Restaurante "O Camelo", onde comemos umas doses de cabritinho, bem regado com várias "Casas de Santar" e finalizado com uma aguardente de Zimbro.
Foi uma boa actividade, com todos os ingredientes que gostamos, boa camaradagem, espírito de grupo e que esperamos repetir, noutro qualquer lugar em breve.

02/09/2009

Visita ao Museu Ferroviário de Macinhata do Vouga


Já por duas vezes tinha ido até Macinhata para visitar este pólo museológico, mas bati sempre com o nariz na porta. À terceira foi de vez e apesar de modesto vale a pena a visita. Por lá pude observar algumas locomotivas usadas nas "vias estreitas" do Douro, Dão e Vouga e algumas carruagens e automotoras, entre outro espólio ferroviário.
Acabei por me "perder" por duas horas entre a visita a solo, visita guiada e na conversa com o funcionário do museu, que soube bem acompanhar e estimular o meu interesse.
Pena não terem alguns artigos que pudessem ajudar a documentar-me sobre as linhas e material ferroviário, mas com a nova direccção do museu pode ser que as coisas mudem.
Também pena o espaço apertado que não me permitiu, sem uma máquina fotográfica adequada e possuidora de uma grande angular, fazer fotos mais completas das locomotivas e restantes peças ferroviárias. Para a próxima já sei e também não me vou esquecer do bloco de notas, que nestes sítios aprende-se sempre muita coisa.