Pedalando pelo GR28

A serra a arder perto do Merujal, 07 de Agosto de 2010.

Serra do Gerês

Caminhando entre Garranos, de 07 a 08 de Maio de 2005.

Serra de São Macário

Escalada na Pena, 15 de Setembro de 2013.

Serra da Estrela

I Travessia em autonomia total - Guarda - Loriga, de 12 a 16 de Abril de 2004.

Linha do Dão - Ponte de Nagoselas

Travessia BTT pelas Linhas do Dão e Vouga, de 09 a 11 de Abril de 2009.

Caminhos de Santiago

Travessia do Rio Lires no Caminho de Finisterra, de 29 a 31 de Julho de 2010.

Serra de Montemuro

Nas Minas de Moimenta, 29 de Janeiro de 2011.

Linha do Corgo - Ponte do Tanha

Travessia da Linha do Corgo, de 06 a 10 de Outubro de 2013.

Serra do Caramulo

Nas neves do Caramulo com vista para a Serra da Estrela, 04 de Dezembro de 2010.

Aldeias Históricas

De BTT em autonomia total pelo GR22, de 28 de Abril a 01 de Maio de 2006.

Linha do Corgo...

26/05/2013

Trilho do Carteiro - Serra da Freita


O dia estava bonito e sentíamos a necessidade de fazer uma caminhada onde a exigência física fosse um bocado maior do que nas últimas actividades.

Decidimos por isso fazer o "Trilho do Carteiro", na Serra da Freita onde sabíamos que a descida às minas de Rio de Frades e depois a subida para Cabreiros ia testar a nossa condição física.

Partimos de Cabreiros em direcção a Tebilhão, regressando depois, pelo percurso pedestre marcado, a Cabreiros. Iniciámos de seguida a longa e íngreme descida até às minas, rodeados por uma magnífica paisagem. Após vários anos e diversas caminhadas por este trilho continuamos a achar este percurso magnífico.

Já nas minas atravessámos uma galeria, a mina de Vale da Cerdeira, que termina  junto a uma queda de água. Seguimos um pouco pelo leito do rio até uma lagoa e depois subimos por uma escombreira até ao trilho mineiro.

Parámos um pouco no rio, para refrescar e descansar, mas a água gelada não nos motivou a tomar banho.

Depois foi a parte mais dura, a longa subida para Cabreiros. Pelo caminho ainda aproveitámos para observar os praticantes de canyoning que saltavam e rapelavam nas cascatas do rio.

12/05/2013

Pedalando até Sernada do Vouga



Após alguns meses sem pegar nas bicicletas chegou a hora de voltar à BTT.

Para iniciar as hostilidades fomos até Sernada do Vouga, o que para mim contabilizou quase 60 km.

Acho que foi um bocadinho puxado, não pelo desnível acumulado, não pelos quilómetros, mas sim pelo tempo que estive parado. Na parte final já me doía tudo e parecia que tinha levado uma boa sova. O meu companheiro de jornada também se queixava do mesmo.

Só há uma coisa a fazer, é continuar a pedalar!

Já há ideias para em breve fazermos mais umas daquelas aventuras de que gostamos tanto. Venham elas!





08/05/2013

Linhas Ferroviárias Extintas: Relato da Travessia da Linha do Sabor


Contamos aqui a nossa aventura pela Linha do Sabor. Dividida a actividade por cinco etapas, percorremos os 105 km de via-férrea em busca do património e dos vestígios que nos comprovaram que em tempos o comboio por lá tinha passado.

As dificuldades em seguir o antigo leito ferroviário, a destruição que o tempo de abandono impôs, a nostalgia e frustração sentida ao ver o património em completo estado de degradação, a beleza do percurso e as dificuldades várias que fomos passando ao longo desta nossa aventura, encontram-se aqui reflectidas.

Esperamos com este relato conseguir motivar outros aventureiros a conhecer este património, caminhando de mochila às costas  pelo antigo leito da via-férrea.

 


Linha Ferroviárias Extintas: Travessia da Linha do Sabor


Nesta Ficha Técnica poderão encontrar informações sobre a Travessia da antiga Linha do Sabor.

A travessia desta antiga via-férrea é caracterizada pelo isolamento de grande parte do percurso, pelo estado de abandono da quase totalidade do património, pela impossibilidade de caminhar em grande parte do leito e pela beleza do seu enquadramento paisagístico.

Para quem gosta da descoberta, da sensação de nostalgia e de um certo sabor a aventura, esta é uma travessia a não perder.



Linhas Ferroviárias Extintas: Linha do Sabor


A Linha do Sabor é uma linha ferroviária portuguesa, actualmente extinta, que ligava a estação do Pocinho (Linha do Douro) à estação de Duas Igrejas, em Miranda, nos arredores de Miranda do Douro. Construída de forma faseada, o seu longo atraso na conclusão ditou, por falta de verbas, que nunca chegasse à cidade de Miranda do Douro.

O primeiro troço da Linha do Sabor, entre Pocinho e Carviçais, só foi inaugurado em 1911. A conclusão da linha efectivou-se com a chegada a Duas Igrejas-Miranda, em 1938.

Com uma extensão total de 105,3 km, esta linha de caminho-de-ferro possui a maior rampa ferroviária contínua em Portugal. Na passagem dos 12 km que vão da estação do Pocinho à estação de Torre de Moncorvo vencem-se 280 metros de desnível num traçado sinuoso, razão essa que obrigou a criar a meio do percurso uma paragem técnica na denominada "estação da Gricha", para que as locomotivas a vapor pudessem recuperar pressão e continuar a longa subida.

De Moncorvo até Felgar a rampa continuava, vencendo-se, em 13 km, os 260 metros de desnível, o que perfaz uma rampa contínua de 25 km, vencendo 540 metros de desnível, para que os comboios subissem do Douro, contornassem a Serra do Reboredo e pudessem entrar no longo planalto mirandês.

Além do serviço de transporte de passageiros, o caminho-de-ferro foi igualmente utilizado para efectuar o transporte dos minérios das Minas do Carvalhal (Torres de Moncorvo), do mármore e alabastro de Santo Adrião, de adubos e trigo, e foi, também, o grande responsável pelo escoamento da produção agrícola desta região.

Esta linha contava com as seguintes estações e apeadeiros:

    Estações:
    • Pocinho;
    • Moncorvo;
    • Carviçais;
    • Freixo de Espada à Cinta;
    • Lagoaça;
    • Bruçó;
    • Mogadouro;
    • Variz;
    • Sendim;
    • Duas Igrejas-Miranda.

    Apeadeiros:
    • Larinho;
    • Felgar;
    • Mós;
    • Fonte do Prado;
    • Macieirinha;
    • Fornos-Sabor;
    • Vilar de Rei;
    • Sanhoane;
    • Urrós;
    • Fonte de Aldeia.

    Pontes:
    • Ponte Rodo-ferroviária do Pocinho.
Os serviços ferroviários na Linha do Sabor foram suspensos em 1988.

Nos inícios de 2012, a Rede Ferroviária Nacional declarou que pretendia transformar todo o antigo traçado da Linha do Sabor numa via verde, aproveitando o facto da via atravessar o Parque Natural do Douro Internacional.

04/05/2013

Trilho da Resina - Vouzela


Depois dos momentos agradáveis a percorrer o 'Trilho da Água' decidimos caminhar pelo 'Trilho da Resina'.

O percurso enquanto coincidiu com a parte do Trilho da Água não ofereceu problemas mas depois as marcações desapareceram por completo.

Fomos improvisando pelo meio da mata, escolhendo os caminhos que nos levaram a Vasconha. Por lá procurámos, sem sucesso, as marcas do percurso.

Optámos por um caminho que acompanhava uma pequena linha de água, até que numa bifurcação lá encontrámos finalmente as marcas do famigerado percurso.

Percorremos então uma parte mais interessante, num caminho de pé posto entre arvoredo, até voltarmos a cruzar-nos com o Trilho da Água. Depois foi só regressar a Queirã e dar por terminada mais uma desventura.

Um percurso para esquecer!