Pedalando pelo GR28

A serra a arder perto do Merujal, 07 de Agosto de 2010.

Serra do Gerês

Caminhando entre Garranos, de 07 a 08 de Maio de 2005.

Serra de São Macário

Escalada na Pena, 15 de Setembro de 2013.

Serra da Estrela

I Travessia em autonomia total - Guarda - Loriga, de 12 a 16 de Abril de 2004.

Linha do Dão - Ponte de Nagoselas

Travessia BTT pelas Linhas do Dão e Vouga, de 09 a 11 de Abril de 2009.

Caminhos de Santiago

Travessia do Rio Lires no Caminho de Finisterra, de 29 a 31 de Julho de 2010.

Serra de Montemuro

Nas Minas de Moimenta, 29 de Janeiro de 2011.

Linha do Corgo - Ponte do Tanha

Travessia da Linha do Corgo, de 06 a 10 de Outubro de 2013.

Serra do Caramulo

Nas neves do Caramulo com vista para a Serra da Estrela, 04 de Dezembro de 2010.

Aldeias Históricas

De BTT em autonomia total pelo GR22, de 28 de Abril a 01 de Maio de 2006.

Linha do Corgo...

17/10/2009

Escalada na Serra da Freita

Aproveitando o bom tempo que ainda se faz sentir partimos para a Serra da Freita com o intuito de fazer mais uma actividade de Escalada.
Chegámos pela manhã, ainda bem fresca, eu a Natália e o Luís, e preparámo-nos para fazer o aquecimento nas vias mais fáceis.

Todos escalámos uma das vias e decidimos depois ir para umas vias mais exigentes que já se encontravam banhadas pelo Sol. Antes de mudarmos para as novas vias chegaram o Pina Jorge mais a esposa e o Hugo com o irmão.
Enquanto o Hugo ficou a iniciar o irmão naquelas vias os restantes iniciaram a escalada nas vias solarengas, onde a temperatura era realmente mais agradável. Um a um lá fomos fazendo as ascensões pelas vias, agora com muito mais dificuldade, esfolando os dedos e mãos.
No final a satisfação da luta estava expressa nos rostos, e nos dedos doridos e esfolados.
Foi mais uma manhã bem passada, em boa companhia.
Para acabar uma feijoada e umas maminhas de vaca bem regadas com o verde da região ainda deixaram o grupo mais animado.

03/10/2009

Aldeias de Xisto - Casal de São Simão


Na impossibilidade de realizar o GR28 em BTT fomos (a Natália e eu) em busca de informações sobre novos trilhos que me permitam pensar e programar novas actividades.
Apesar de já termos realizado várias actividades que passaram por algumas das chamadas "Aldeias de Xisto", nomeadamente pela Serra da Lousã, fomos espreitar esse projecto recente que envolve vários trilhos pedestres e bastantes Km's de trilhos marcados para BTT.
Começámos por passar em Penela onde visitámos o Castelo, que apesar de estar em obras não deixa de ser um belo exemplar de arquitectura militar.
Depois seguimos para a aldeia de Ferraria de São João onde pudémos observar um dos Centros de BTT, edifício de apoio às actividades de bicicleta todo-o-terreno e ficámos agradávelmente surpreendidos ao verificar que este oferece apoio sanitário (sanitários e balneários), oficina para pequenas avarias (com ferramentas e tudo), ar e água, além de alguma informação sobre os percursos. Também estavam visíveis algumas marcações (sinaléctica) dos vários percursos BTT e pedestres que passavam naquela zona.
Na aldeia é bem visível alguma recuperação de casas que nos pareceram poder vir a servir de casas abrigo ou de apoio, em regime de aluguer, a quem quiser fazer as actividades descritas.
A aldeia em si pareceu-nos pobre e algo desinteressante.
Feito este reconhecimento seguimos para Casal de São Simão onde aí sim encontrámos uma aldeia recuperada e muito agradável. Decidimos efectuar o PR1, um percurso pedestre que nos levou até às Fragas de São Simão, local junto ao rio onde se encontra uma praia fluvial e onde pudémos observar algumas ruínas de velhos moinhos de água.
Aproveitei claro para ir espreitar as fragas onde estão equipadas algumas vias de escalada desportiva de vários largos e que me deixaram com água na boca. Talvez porque as vias caiem directamente sobre as águas do rio.
Passada esta bonita zona do percurso continuámos a percorrer o percurso, que segue quase sempre junto ao rio sob as árvores e a vegetação, até que duas horas e meia depois de partirmos nos levou de retorno à aldeia.
O percurso em si é agradável, circular, de grau de dificuldade acessível, embora implique uma preparação mínima atendendo a que apresenta algumas descidas e subidas acentuadas. A parte da aldeia e a passagem nas Fragas, junto ao rio, são quanto a mim as melhores partes do percurso.
Penso que o projecto "Aldeias de Xisto" é interessante, promove um conjunto de valências nacionais (paisagem, património, gastronomia, cultura, artesanato...) que merecem o nosso apoio visitando as aldeias, conhecendo o diverso património, percorrendo a pé ou de bicicleta os seus trilhos e aproveitando o que de bom toda esta zona tem para nos oferecer.
Por nós só posso dizer que em breve exploraremos outras aldeias e outros trilhos.