Linha do Minho...

06/09/2009

Marcha de Montanha na Serra da Estrela

O Pina Jorge desafiou-nos para mais uma Marcha em autonomia na Serra da Estrela e para além dos habituais tivémos a presença de outros amigos que já não marchavam connosco à algum tempo e uma estreia no grupo.
Assim estiveram presentes nesta actividade o Pina Jorge, Calé, Cardoso, Vicente, Rui, Borges, Marcelino, Amaral, DJ, Zé Carlos (de regresso a estas andanças) e o Hugo (em estreia com este grupo no que diz respeito a Marchas, uma vez que já esteve connosco numa BTT). Assim à partida batiamos todos os records no número de presenças numa marcha em autonomia.

Dia 0 (Sexta-feira 4/Set)
Partimos cerca das 20 horas em direcção à Pousada da Juventude das Penhas da Saúde. De Aveiro sairam o Calé, DJ, Vicente, Cardoso e Zé Carlos e do Porto/Ovar o Rui, Borges, Amaral e Hugo.
Por essa hora já o Pina Jorge estava pela serra a "espreitar" os pontos chave da nossa marcha.
Os aveirenses ao chegar ao Sabugueiro aproveitaram para comer umas sandes de queijo da serra e presunto, regado com cerveja ou tinto e finalizado com umas ginjinhas e aguardente de zimbro.
Já no final do repasto chegaram os homens do "Nuorte carago" e juntaram-se a nós na ginjinha.
Seguimos depois para a pousada onde o Pina Jorge nos aguardava, na companhia da esposa e do filho que gentilmente se deslocara à serra para nos apoiar no início da actividade.
Depois de tratadas as formalidades na pousada o Pina Jorge passou ao briefing da actividade onde falámos sobre o que iriamos fazer no dia seguinte.
Após este esclarecimento e já elucidados sobre o que nos esperava fomo-nos deitar na camarata de 10 camas que nos aguardava (bom alguns vadios ainda foram ver a noite da serra).

Dia 1 (Sábado 05/Set)
Alvorada às 6 horas, e às 7h00 partimos em direcção ao Covão d'Ametade, local de início da actividade. Aqui foi importante o apoio do filho do Pina Jorge que levou o pessoal ao local, poupando-nos uns Km's de caminhada pelo alcatrão.
Reunido o grupo partimos serra acima, primeiro em direcção à parede dos fantasmas e depois embrenhando-nos na serra a caminho da Lagoa da Paixão.
Ao chegarmos ao Ribeiro da Candeira o Borges decidiu pregar-nos um susto com uma queda que nos deixou apreensivos. Felizmente não se confirmou a entorse que temíamos.
Depois de algum descanso naquele prado, avançámos para a longa subida que nos levaria à lagoa.
O grupo demonstrou estar bem preparado e pelas 11h30 chegou à dita lagoa. Devido ao facto de lá termos chegado cedo, decidimos almoçar e descansar até às 13 horas.
Tinhamos previsto a possibilidade de estabelecer o acampamento nesta lagoa, se lá chegássemos tarde ou cansados, mas como o grupo chegou rápido e fresco partimos para o segundo ponto previsto, a lagoa das Salgadeiras.
Mais uma vez o grupo se portou bem e pelas 14h30 chegávamos ao local pretendido. Ainda se levantou a hipótese de nos aproximarmos da torre e acampar mais perto desta, mas pessoalmente acho que imperou o bom senso e cumprimos o que estava previsto.
Montámos o acampamento cedo e fomos espreitar a lagoa. Os primeiros a lá chegar logo mergulharam e nadaram nas suas águas frescas, sendo imitados, logo de seguida, pelos restantes elementos do grupo.
Depois fomos preparar o jantar, comer e contar as velhas histórias.
Bem cedo ainda nos deitámos e passámos umas longas horas deitados nas tendas, a descansar o corpo moído da marcha e das mochilas pesadas.

Dia 2 (Domingo 06/Set)
Alvorada às 6 horas, mas atendendo a que ainda era noite todos aproveitámos para ficar mais uns minutos nas tendas. Depois de preguiçar mais um pouco lá começámos, um-a-um, a sair das tocas e a começar a preparar as coisas para mais um dia de marcha.
Partimos assim em direcção à Torre e antes de lá chegar desviámos em direcção à estrada que se dirije à Covilhã.
Começava aqui a parte da aventura que se prendia com a descida para a barragem do Covão do Ferro.
Os penhascos que caracterizam aquela zona não deixavam antever qualquer facilidade e todos se sentiam um pouco apreensivos com as dificuldades que se adivinhavam.
Prevendo uma descida complicada três dos elementos, que apresentavam algumas dificuldades a nível dos joelhos decidiram, e bem, seguir pela estrada em direcção à pousada enquanto os outros oito aventureiros iniciaram a descida.
E que descida! Sob a batuta do mestre Pina Jorge, fomos descendo de rocha em rocha, escalando e destrepando passo-a-passo, pendurados nas ervas e nas raízes, pulando por cimas de buracos, passando por entre fendas das rochas e num verdadeiro trabalho de equipa, lá fomos passando e descendo os montanheiros e as suas enormes e pesadas mochilas, patamar em patamar.
Os restante montanheiros aguardavam, também eles apreensivos, que o grupo reaparecesse por detrás das massas rochosas que envolvem a linha de água. Mais de uma hora depois lá nos viram aparecer a todos, sãos e salvos, e lá respiraram de alívio. No entanto apesar da parte mais difícil e perigosa estar ultrapassada ainda não tínhamos chegado à barragem e ainda tinhamos algumas dificuldades pela frente.
Felizmente a calma, o trabalho de equipa e a mestria do mestre Pina Jorge, levou-nos para baixo
sem qualquer problema.
Já na barragem, descemos à estrada e aproveitámos para encher os cantis numa das casas que por lá existem, onde fomos muito bem recebidos e onde ainda conversámos um pouco sobre a actividade e outras possibilidades interessantes.
Entretanto o outro grupo tentava chegar à pousada para trazer os carros e recolher-nos.
Subimos então até à estrada que vem da torre onde o Zé Carlos nos aguardava com várias garrafas de água recolhida numa fonte. O Dj e o Borges tinham seguido a pé até à pousada.
Ficámos então à espera que eles regressassem com as viaturas. O Rui conseguiu também uma boleia até à Pousada.
Neste espaço de tempo pudémos fazer a boa acção do dia. Na casa onde abastecemos os cantis vive um cãozito que fugiu da mesma para perseguir o carro dos donos, acabando por vir ter connosco cá acima à estrada. Prendemos o cão e quando chegaram os carros fomos devolvê-lo aos donos levando-o a casa.
Após os carros chegarem fomos todos até à pousada onde tomámos um delicioso banho.
Acabada a actividade estava na hora do convívio gastronómico que nos é habitual. O lugar escolhido foi o Restaurante "O Camelo", onde comemos umas doses de cabritinho, bem regado com várias "Casas de Santar" e finalizado com uma aguardente de Zimbro.
Foi uma boa actividade, com todos os ingredientes que gostamos, boa camaradagem, espírito de grupo e que esperamos repetir, noutro qualquer lugar em breve.

7 comentários:

Excelente relato da actividade. Onde só tenho uma coisa a corrigir:
Onde se lê Cardoso, deve-se ler PEDRO ;)...

Aproveito para deixar aqui o link para onde esto a descarregar as minhas fotos (dísponiveis dentre de minutos): http://gallery.me.com/carla_borges#100035

Boa Borges, ou melhor, Empresário da Rolha.

Obrigado a todos pela actividade e um obrigado especial ao Pina Jorge.

Abraço e até à próxima.

Boa actividade, bom grupo. O local é excelente, mas aquela descida para a barragem do Covão do Ferro deu o complemento da aventura que fazia falta à Marcha.
Correu tudo bem e divertimo-nos à brava.
Quando fazemos outra?

Tou na fisio agora e aproveitei para ver o vídeo, as terapeutas deram os parabéns pela "banda sonora". Disseram que era apropriada para o que eu estava a fazer...

Borges,

FYI, a música chama-se "Shenandoah" e é tocada por um guitarrista avant-garde de nome Bill Frisell.

Vicente

UFFFA.Já recuperei.Adorei e estou pronto para a próxima.-Talvez uma travessia????
E se para treino fizessemos a Garganta de Loriga a subir com pernoita no planalto da Torre e descessemos pelo Terroeiro,em direcção à barragem do ferro e Penhas da saúde?
Fiquem a pensar.
Um abraço
Pina Jorge

Grande aventura, mas na proxima se for possivel, quero participar na caminhada, penso que esta na hora de voltar a fazer estas caminhadas que tanto prazer me davam principalmente quando o grupo, pelo que vi e do melhor, lol