Pedalando pelo GR28

A serra a arder perto do Merujal, 07 de Agosto de 2010.

Serra do Gerês

Caminhando entre Garranos, de 07 a 08 de Maio de 2005.

Serra de São Macário

Escalada na Pena, 15 de Setembro de 2013.

Serra da Estrela

I Travessia em autonomia total - Guarda - Loriga, de 12 a 16 de Abril de 2004.

Linha do Dão - Ponte de Nagoselas

Travessia BTT pelas Linhas do Dão e Vouga, de 09 a 11 de Abril de 2009.

Caminhos de Santiago

Travessia do Rio Lires no Caminho de Finisterra, de 29 a 31 de Julho de 2010.

Serra de Montemuro

Nas Minas de Moimenta, 29 de Janeiro de 2011.

Linha do Corgo - Ponte do Tanha

Travessia da Linha do Corgo, de 06 a 10 de Outubro de 2013.

Serra do Caramulo

Nas neves do Caramulo com vista para a Serra da Estrela, 04 de Dezembro de 2010.

Aldeias Históricas

De BTT em autonomia total pelo GR22, de 28 de Abril a 01 de Maio de 2006.

Aldeias Históricas - Piódão...

30/03/2014

GR28 por etapas (4ª etapa)



Devido às más condições atmosféricas previstas para hoje (Domingo) realizámos ontem a 4ª etapa do GR28. Propositadamente deixámos a 3ª etapa para trás para a realizarmos em dois dias e em autonomia.

Começámos o percurso junto à capela de Covelo de Paivô subindo pela estrada de acesso à povoação. Só após subirmos umas boas centenas de metros é que chegámos ao ponto em que o GR28 se junta à estrada. Pouco depois saímos por um velho trilho, entre arvoredo, e cheio de pedra solta.

O trilho sobe durante bastante tempo até acabar junto a um estradão aberto pelos madeireiros. Esse ponto é um bocado confuso porque no alargamento do caminho, e à boa maneira portuguesa, os madeireiros arrancaram placas e removeram as pedras onde se encontrava a sinalética do GR28.

Percorremos uma parte do percurso com o trilho cheio de restos de eucaliptos e apenas encontrámos uma ou outra pedra com sinais, mas viradas ao contrário e fora do sítio.

Chegados à estrada seguimos no caminho situado em frente e em breve a sinalética voltava a surgir aos nossos olhos.

A povoação de Silveiras aparecia ao fundo. Descemos até à povoação, completando a parte que dizia respeito ao GR28.

Para completarmos a nossa etapa o destino passou a ser Regoufe, pelo que subimos um longo e, por vezes, íngreme percurso até à estrada, junto ao desvio para Regoufe. Na fase inicial o trilho era bastante empedrado, mas depois desviámos para um caminho menos definido no terreno na direcção de uma torre de alta tensão, situada no topo de um cabeço. Daí até à estrada foi fácil.

Para evitarmos seguir por alcatrão subimos junto às ruínas de uma casa situada junto à estrada, mesmo em frente ao trilho donde chegámos. Subimos para o planalto e daí seguimos por ele até estarmos sobre Regoufe.

Deviamos ter voltado à estrada um pouco antes mas quando demos conta já nos situávamos sobre o complexo mineiro de Regoufe. Iniciámos a descida junto às ruínas de uns edifícios e depois começámos a descer sobre as minas, pela enorme quantidade de cascalho existente.

A situação envolveu algum risco, uma vez que estando situados sobre galerias mineiras há sempre a hipótese de haver chaminés de ventilação das galerias, o terreno é instável, com as pedras soltas e com uma inclinação apreciável sobre as ruínas dos antigo complexo mineiro.

Com muita calma e cautela fomos descendo a encosta, tentando evitar quedas e escorregadelas pouco aconselhadas, nesse momento.

Chegámos sem problemas ao complexo mineiro que percorremos até chegarmos à povoação de Regoufe.

Visitámos o café local para a tão desejada cervejinha da jornada.

Continuámos depois pelo percurso que liga Regoufe a Covelo de Paivô,

Descendo sem grandes problemas até à povoação e concluindo assim mais uma etapa da nossa aventura.


23/03/2014

GR28 por etapas (2ª etapa)


A semana passada não me encontrava nas melhores condições físicas pelo que apenas este fim-de-semana pude realizar, na companhia do Pina Jorge, Francisco e DJ a segunda etapa do GR28.

Iniciámos o percurso em Tebilhão, onde ficámos na primeira etapa, e seguimos a sinalética até Cabreiros acompanhando o "Trilho do Carteiro". Em Cabreiros seguimos por estrada até ao Candal, onde terminámos a parte relativa ao GR28.

No Candal o GR28 vai para Covelo de Paivô, o que em termos logísticos é bastante complicado devido ao facto de se passar para o outro lado da serra. Para gerir este aspecto com viaturas seria necessário dar uma longa volta de carro para colocação das mesmas em dois lados opostos da serra. Assim decidimos fazer esta etapa, na parte que diz respeito ao GR28, bastante curta, compensando na subida às eólicas das Chãs, seguindo a "Rota da Bétulas".
 
Nas eólicas abandonámos o percurso marcado e seguimos na direcção das Minas das Chãs, onde passámos junto às ruínas do complexo mineiro, e daí descemos a Cabreiros.

Em Cabreiros, pelo trilho que utilizamos na nossa versão do "Trilho do Carteiro", fora do percurso marcado, regressámos a Tebilhão.
 
Com um total de 13 km, com mais de 700m de desnível de subidas acumulado, demos por concluída mais esta etapa.

Para a semana contamos fazer a 4ª etapa, deixando a 3ª etapa para daqui a duas semanas, em versão autonomia total, para começar a habituar o corpo à mochila grande e carregada, a dois dias seguidos de actividade e ao desconforto de dormir numa tenda. 

08/03/2014

GR28 por Etapas (1ª Etapa)


O GR28 é um percurso de grande rota que percorre quase todo o Maciço da Gralheira (Serra da Freita, Serra da Arada e Serra de São Macário).

Já percorremos muitos dos seus troços e até iniciámos a sua travessia de BTT, numa noite quente, onde um incêndio na serra nos trouxe adrenalina extra e nos impossibilitou de completar o percurso.

Pensámos diversas vezes percorrê-lo, mas a sua distância total e as características do terreno não facilitaram a vida. Em autonomia precisamos pelo menos de quatro dias e para apoio de viaturas torna-se complicado e dispendioso, com troços a obrigar dar voltas grandes à serra para colocar e recuperar as viaturas.

Surgiu agora a ideia de o fazer em etapas com recurso a outros trilhos para regresso, tentando assim tornar as etapas circulares. Vai obrigar a fazer bastante mais quilómetros a pé, vamos percorrer muitos trilhos que já conhecemos, mas também nos vai obrigar a descobrir soluções e encontrar novos trilhos para conseguirmos realizar o GR28 desta forma.


E para que a ideia não fique apenas por intenção cumprimos hoje a 1ª Etapa entre o Parque de Campismo do Merujal e Tebilhão (cerca de 11km), com regresso fora de trilho e sem marcações por Gestoso onde após subirmos a encosta, atravessámos o planalto e depois percorremos a cumeada até apanharmos a parte do GR15 que leva a Albergaria da Serra e daí ao Merujal.


Entre o GR28, GR15 e fora de trilho resolvemos a 1ª Etapa, num total de 21km e cerca de 6 horas de caminhar contínuo. Fácil não foi, mas também não esperávamos que o fosse.

Para a semana contamos continuar com a 2ª Etapa a partir de Tebilhão.