Serra da Arada - Trilhos de Água

07/09/2017

Sanabria: Pelo Canhão do Tera


Devido a ir participar noutro evento local, o Amaral propôs-nos realizar a caminhada pelo Canhão do Tera em Sanabria, percurso que ainda nos faltava percorrer.

A actividade, realizada no sábado de 12 de Agosto, teve larga participação, contando com os seguintes elementos: Sãozita, Sara, Patrícia, Diana, Amaral, Pina Jorge, Francisco, DJ, Zé Figueiredo e esposa, a Luz, que apenas acompanhou o marido em passeio.
A reunião decorreu na sexta-feira durante o jantar no Don Pepe. Após a refeição deslocámo-nos até ao pub Pilas na Mesquita onde esperámos pelo Amaral que tinha estado em reunião com os companheiros da caça.
Eram 8,30h quando partimos para Ribedelago Viejo, onde deixámos os carros, e iniciámo o percurso, composto de dois trilhos diferentes que permitem tornar o mesmo circular. O trilho do Cañon del Tera acaba perto de S. Martin de Castañeda onde passamos para a Senda dos Monges, caminho que os monges do Convento de Santa Maria usavam para se deslocar a Ribadelago.
No percurso principal, atendendo a época do ano em que nos encontramos, o rio não tem grande caudal mas em 1959 o rio causou uma grande catástrofe que a seguir se relata:
“Construída entre 1954 e 1956, a barragem de Vega de Tera, com 200 metros de comprimento e 33 de altura, foi inaugurada por Francisco Franco em 25 de Setembro de 1956. Esta barragem teve uma vida curtíssima: em 1959, fortes chuvas e temperaturas extremas (-18 °C) abateram-se sobre a Serra de Peña Trevinca. Estas condições, aliadas à muita água acumulada na albufeira da barragem, levaram a que uma brecha de 70 metros de comprimento e 30 de altura se abrisse, deixando que uma torrente de 8 mil milhões de litros de água se abatessem pelo desfiladeiro do rio Tera. Os oito quilómetros do desfiladeiro foram ultrapassados pela água, lama, rochas e árvores da torrente em 20 minutos. Pelo caminho, a aldeia de Ribadelago foi apanhada desprevenida, resultando da imensa torrente a destruição de 145 das 170 habitações que existiam, e a morte de 144 habitantes que não conseguiram refugiar-se em pontos altos. A corrente chegou a atingir nove metros de altura.
Apenas 28 corpos foram resgatados, os restantes desapareceram para sempre no fundo do Lago de Sanábria, onde a imensa torrente desembocou logo a seguir à destruição de Ribadelago.
A aldeia foi reconstruída, sendo hoje bem visíveis testemunhos da noite fatídica: ruínas de casas e da igreja matriz, a par da estrutura da barragem, a montante, no silêncio da serra.”
Fonte: Wikipedia
Voltando ao trajecto este é simplesmente lindíssimo, inclui muitos pontos de interesse junto do curso de água, com diversas lagoas, quedas de água e vegetação que levaram os caminhantes a dar por bem empregue o tempo que ali estavam a passar.
Algumas subidas íngremes, em escalada ligeira não desmotivaram os participantes, na longa subida até aos 1791 m de cota máxima.
Um pouco antes deste pico, e por indicação de outros caminhantes que por nós passaram, desviámos um pouco do trilho e fomos até uma bonita lagoa onde alguns de nós aproveitaram para tomar banho.
Retomado o trilho, continuámos a subir e passámos por alguns abrigos de montanha; o calor começava a apertar e as paragens eram mais frequentes para hidratação e para reagrupar.
No final deste primeiro trilho andámos um bocado por alcatrão que fervia, até encontrarmos o dito Trilho dos Monges, uma longa e penosa descida, por vezes acentuada, que fez as suas mossas.
O grande final foi num bar junto ao Lago de Sanabria onde as cervejas, servidas em canecas “mesmo” geladas, fizeram explodir sorrisos e exclamações de satisfação.
A repetir? Não sei, mas desde a primeira vez que fui para aqueles lados fiquei fã dos percursos naquela zona, pelo que é bem provável.

Francisco Soares

1 comentários:

É sinceramente para repetir escolhendo uma altura em que o Tera tenha mais água