Serra de São Macário - Da Pena a Covas do Monte...

21/07/2012

Trilhos de Água


Este passeio "inventado" por nós em 2001 continua a ser um dos que mais gosto de fazer.

A última vez que por lá passei, em 2011, verifiquei que a antiga saída do Rio Paivô estava tapada por mato denso, facto que nos obrigou a subir a encosta para conseguir passar para o trilho de regresso a Regoufe. Na semana passada pude constatar que tudo se mantém e, por isso, senti a necessidade de arranjar uma nova forma de poder percorrer este trilho saindo por um outro qualquer local. 

Hoje surgiu a oportunidade para verificar a nova saída do rio quando o Francisco me desafiou para uma caminhada. Ainda tentei arranjar mais voluntários mas sem qualquer sucesso.
 
Assim partimos apenas os dois para Regoufe e após a famosa subida ao Alto de Regoufe iniciámos a descida para o lugar do Pego. Pelo caminho constatámos mais umas parvoíces evolucionistas destes (des)governantes locais, que pelos vistos, agora querem fazer estradões pela serra toda. Será que ninguém pára esta gente de vez?

Descemos depois ao Rio Paivô onde as primeiras lagoas nos aguçaram o apetite para um belo banho.

Resistimos mais um pouco, ultrapassando primeiro o obstáculo causado pela represa que forma uma cascata. Já no leito do rio tirámos as botas e equipámos para melhor poder "caminhar" pelo rio e pela água.

A beleza continua a deslumbrar quem por lá passa e a calma e tranquilidade do local apenas é quebrado pelo cantar das cigarras e pelo correr das águas. Divinal!

Fomos caminhando lentamente, umas vezes pelas rochas, outras pela água, sempre com o cuidado que as pedras escorregadias exigem.

A chegada à Ponte de Xisto é sempre um marco do trilho e desta vez era a nossa saída do leito e regresso a Regoufe. Pelo menos era essa a nossa nova solução.

Antes de sairmos decidimos fazer mais umas dezenas de metros para usufruirmos da melhor lagoa do percurso. Assim o fizemos, tomando um belo banho refrescante. Aproveitámos ainda esses momentos para descansar um pouco. A saída do rio prometia um belo esforço.

Regressámos à ponte e iniciámos a longa e íngreme subida. Após a subida de um primeiro patamar rochoso pudemos observar o trilho de Drave lá bem em cima. O calor apertava e, por esse motivo, a subida foi feita devagar e com algumas pequenas paragens. A chegada ao Alto de Regoufe foi recebida com agrado.

Depois foi só descer até à povoação de Regoufe e parar no novo café para beber uma cervejinha bem gelada. 

Mais um bom momento nesta serra, para repetir sempre que possível.

4 comentários:

É sempre um prazer fazer este trilho e poder tomar uns banhos nas águas do Rio Paivô.

Temos que arranjar um dia quente num mês de Maio, ou início de Junho, para percorrermos o Rio desde o Pego até Covelo de Paivô, numa só jornada.

Assim talvez tenhamos a possibilidade de o fazer sempre dentro de água.

este pedaço do rio é dos sítios mais bonitos que conheço.
É sempre com prazer que se volta aos Trilhos d´Água

Olá. Parabéns pelas fotos. Fiquei curioso na referência à aldeia depois de Regoufe, o lugar do Pego. Não encontro esse local na carta militar. Será que é o local onde há uma construção junto à ribeira (vê-se quando se chega ao alto de Regoufe).
Gostava de saber se dá para subir sempre pelo rio até Drave.
Obrigado e continuação de boas aventuras.
Darasola

Amigo(s) Darasola

Do Alto de Regoufe vê-se mas mal e bem lá no fundo o Pego (uma casa, uma quinta abandonada e um barracão).

Quanto ao subir o Rio Paivô até Drave, apesar de já termos pensado em o fazer, mas descendo de Drave para o Pego ainda não o fizemos.

Só conhecemos do Pego até Covêlo de Paivô, excepto numa extensão de 200 ou 300m.

Em breve vamos publicar as nossas páginas sobre a Serra da Arada com as Fichas Técnicas das duas últimas actividades. Nelas damos algumas informações, dicas e conselhos para fazer estas actividades.
Outras informações, também as podemos dar por mail.

Um abraço e boas aventuras.