Serra do Alvão - Fisgas do Ermelo...

03/05/2009

Marcha de Montanha na Serra do Gerês


Já há algum tempo que a ideia de fazer a Travessia de Pitões das Júnias para as Minas de Carris nos abria o apetite de meter as mochilas às costas e de colocar as botas a caminho.
Sabiamos que não era um percurso fácil e muito menos para quem não conhecia o caminho.
Este fim-de-semana surgiu finalmente a oportunidade e reunidos os voluntários (Calé, Cardoso, Amaral, Marcelino e DJ) colocámo-nos a caminho.
Chegámos a Pitões bastante tarde e partimos muito perto do meio-dia o que acabou por nos ser "fatal" nas nossas pretensões. A Orientação também não correu bem o que acabou connosco a galgar morro atrás de morro em direcção ao que pensávamos ser as minas. Chegados às supostas minas verificámos de imediato que estávamos possivelmente perto mas não no local desejado. Depois foi continuar até finalmente vermos o muro da lagoa no cimo de um penhasco. Aí decidimos acampar num prado magnífico que fica no sopé do mesmo, junto a várias linhas de água, onde esta fresca e saborosa, corre barulhenta. Montado o acampamento e efectuada a higiene pessoal era hora de começar a preparar o jantar, que devorámos com apetite, tal o desgaste do dia.
O Sol começava a desaparecer e a temperatura baixava drasticamente. Depois dos materiais arrumados, estava na altura de beber uns whiskys para aquecer e preparar para a deita. Uma noite mal dormida nas tendas e eram 6 horas da manhã, hora da alvorada. Preparámos e tomámos o pequeno-almoço, arrumámos o material e às 7h30 começámos a caminhar. Em conversa com uns Montanheiros, que também ali acampavam e que conheciam o trajecto que pretendiamos seguir, obtivémos alguns conselhos preciosos para a longa marcha que nos esperava.
Subimos a linha de água que nos permitiria abordar as Minas de Carris pelo lado da lagoa até encontrar os marcos de fronteira, depois caminhando para o lado do ponto mais alto da Serra do Gerês (Pico da Nevosa) fomos seguindo os referidos marcos fronteiriços, Km após Km, hora atrás de hora, em busca de um caminho que nunca encontrámos.
Interessante a passagem na Ourela dos Rubios, onde tivémos que improvisar para conseguir descer o penhasco, em trabalho de equipa, para descer aquelas mochilas pesadonas e depois o pessoal.
Depois foi apontar à capela de São João, ponto de referência bem ao longe, e galgar mais uns morros entre matos e tojos.
Doze horas de marcha depois chegámos doridos e cansados a Pitões das Júnias. O calor que se fez sentir quase todo o dia também ajudou no desgaste.
Para finalizar em grande um Cozido à Portuguesa no restaurante "O Preto" bem regado ajudaram a esquecer as bolhas, as dores e o cansaço.



Fotos DJ - (Novas Fotos)

5 comentários:

Grande actividade! Daquelas que não se vão esquecer. Serra muito bonita e dura e um excelente espírito de grupo. Alguns pormenores a corrigir no futuro. Que venha a próxima.
Pedro Cardoso

Foi uma actividade espectacular, numa serra de beleza ímpar. Ao longo dos dois dias muitos momentos para não mais esquecer. Muita dureza ao longo de inúmeras horas de marcha e muita aventura "perdidos" por aqueles picos, vales e linhas de água, entre matos e tojos. No final a grande camaradagem, e a força de vontade de todos (em especial do DJ que levou um baptismo de fogo a sério).
Alguns erros de principiante a corrigir e a implicar mais trabalho de casa a cada um de nós.
A não esquecer o cozido à portuguesa que animou a alma e acalmou as dores.

Parabéns, como eu me lembrei de vocês, mas com inveja por não ter desfrutado esta aventura na vossa companhia.
Fica para a próxima...
Aproveitei o fim de semana, visto que estava em Idanha, para iniciar o meu neto nestas andanças, e ligamos Idanha-a Nova a Idanha-a-Velha.
Valeu a pena...
Um abraço
Pina Jorge

Excelente actividade!
Obrigado pela ajuda ao longo do caminho, que bem que precisei :)
Para a próxima espero ir mais bem preparado.
Daniel Correia

Bem.... esse percurso foi muito arrojado... mas tambem é de uma beleza impar...
Os Prados onde dormiram são os Prados das Negras que ficam na Garganta das Negras... Lindos... eu estava no Prado ao lado:)... Pena nao se terem juntado a nossa fogueira...

Pelas fotos que vi, vocês cansaram se um pouco, isto é existem trilhos quase desde Pitões até aos Carris e no regresso para Pitões, pelos marcos da fronteira não é pera doce de facto... mas faz-se. O Gerês tem um labirinto de trilhos, quem os conhecer esta em casa, quem não os conhecer pode se tornar perigoso.

Da proxima avisem me eu estou la quase todos os fins de semana e terei todo o prazer em guiar vos onde quiserem:)

Parabens pela caminhada e pelas fotos e continuação de boas caminhadas.

Saudações montanheiras
White Angel