Pedalando pelo GR28

A serra a arder perto do Merujal, 07 de Agosto de 2010.

Serra do Gerês

Caminhando entre Garranos, de 07 a 08 de Maio de 2005.

Serra de São Macário

Escalada na Pena, 15 de Setembro de 2013.

Serra da Estrela

I Travessia em autonomia total - Guarda - Loriga, de 12 a 16 de Abril de 2004.

Linha do Dão - Ponte de Nagoselas

Travessia BTT pelas Linhas do Dão e Vouga, de 09 a 11 de Abril de 2009.

Caminhos de Santiago

Travessia do Rio Lires no Caminho de Finisterra, de 29 a 31 de Julho de 2010.

Serra de Montemuro

Nas Minas de Moimenta, 29 de Janeiro de 2011.

Linha do Corgo - Ponte do Tanha

Travessia da Linha do Corgo, de 06 a 10 de Outubro de 2013.

Serra do Caramulo

Nas neves do Caramulo com vista para a Serra da Estrela, 04 de Dezembro de 2010.

Aldeias Históricas

De BTT em autonomia total pelo GR22, de 28 de Abril a 01 de Maio de 2006.

Sanabria - Peña Trevinca...

20/07/2015

Serra da Arada: Trilhos de Água

Para me despedir das férias decidi com o Francisco fazer o "Trilhos de Água". 

Este percurso 'inventado' por mim e pelo Marcelino em 2001 continua a ser um dos meus favoritos. 

Já com algumas alterações ao trajecto inicial, a paisagem que rodeia o percurso, o tipo de trilhos, os banhos no Rio Paivô e a dureza da actividade continuam a fazer deste percurso um dos mais bonitos e interessantes de fazer. 

Desta vez o grupo contou com um total de 9 caminheiros que calmamente percorreram as longas subidas e descidas, por vezes penosas, para poderem usufruir de alguns bons banhos nas águas temperadas do Rio Paivô. 

A subida do rio até ao Alto de Regoufe foi o momento mais difícil da jornada, mas calmamente, que o calor também apertava, lá fomos chegando ao final da íngreme subida. 

Já na povoação a visita ao café local foi obrigatória. Umas cervejolas e sumos fresquinhos alegraram logo os mais cansados. 

Depois foi em Moldes que as coisas ainda animaram mais. Dobrada, Sopa da Pedra e um conjunto grande e diversificado de petiscos, bem regados por um vinho verde local bem geladinho, fizeram esquecer as dores nas pernas e o cansaço.

Uma espécie de 'xarope' caseiro, feito com aguardente e mel, foi o ponto final deste momento alto. 

Vou regressar ao trabalho, em terras longínquas, mas vou de papinho cheio! 

16/07/2015

BTT pelo antigo Ramal de Monção



Ontem voltei à ecopista do Minho partindo de Campos em direcção a Valença.

A manhã estava enevoada e fresca, o que até facilitou a pedalada.

Em Valença segui para a parte da ecopista que segue pelo antigo Ramal de Monção e percorri todo o antigo percurso ferroviário até à antiga estação de Monção.

Aproveitei para dar uma volta pela vila, em especial pela zona muralhada.

Depois efectuei o regresso pelo mesmo caminho, já com Sol e calor em abundância. No final da via, em Valença, visitei o Centro de Interpretação da Ecopista, situado na antiga Casa da Linha.  Aproveitei para obter algumas informações sobre a Ecopista e outros percursos da zona.

Os 55 km da brincadeira, o calor verificado e a falta de hábito em andar de bicicleta, deixaram-me dorido e  bastante cansado. Há que continuar!


12/07/2015

Pela ecopista do Minho


Após mais de ano e meio sem andar de bicicleta aproveitei umas curtas férias pelo Minho para voltar a sentir a sensação de liberdade que sinto quando pedalo.

Estando no Minho fui procurar a tão badalada 'Ecopista do Minho'.

Pedalei por campos e matas até à Praia da Lenta (em Vila Nova de Cerveira) e daí fui pedalando até Valença.

Esta parte da ecopista decorre, na sua maioria junto ao Rio Minho, abandonando-o apenas na parte final já em Valença.

Com a fortaleza já à vista saí da ecopista para poder percorrer um pouco o interior da mesma.

Após a visita à fortaleza regressei a casa, algo dorido e cansado, mas bastante satisfeito.


09/07/2015

Novamente na Mata do Buçaco


Na terça-feira eu e o Francisco fomos à Mata do Buçaco para fotografar o património em falta. 

O dia esteve bastante quente pelo que caminhar sob a sombra do arvoredo soube bastante bem.

Dado que o meu companheiro de caminhada pouco conhecia da mata, acabámos por percorrer grande parte dos seus trilhos subindo o Calvário até à Cruz Alta, descendo depois às Portas de Coimbra.

A passagem pelo Caifás, pelas lagoas, escadaria da Fonte Fria e pelo Vale dos Fetos foi obrigatória. No final efectuámos umas horas e uns km's de caminhada para ver apenas uma parte do património desta mata.



05/07/2015

Passadiços do Paiva


Ontem fomos percorrer o percurso "Passadiços do Paiva". Partimos da praia do Areinho e fomos percorrendo os passadiços e os trilhos que levam este percurso até a Espiunca. Pela nossa contagem o percurso não tem os anunciados 8km de extensão, mas sim cerca de 10km.

Em Espiunca, após refrescar as goelas na tasca local, regressámos pelo mesmo caminho ao Areinho.

O percurso, ao longo do Rio Paiva é bonito mas, apesar de reconhecer que sem o passadiço grande parte deste percurso seria impossível de percorrer, excepto por kayak ou raft, a existência de uma estrutura desta dimensão ao longo desta paisagem natural não me agrada em especial. Era bem melhor se fosse um trilho de pé posto.

Em relação ao percurso, para quem o quiser fazer na íntegra e pensar regressar pelo mesmo, há que ter em conta a extensão do mesmo (cerca de 20kms), a sua exposição ao Sol e ao calor durante o Verão e a passagem junto à Ponte de Alvarenga, onde a subida por escadas e não só e a descida do lado oposto não são obstáculos fáceis de transpor. 

Na íntegra este passeio não é um passeio familiar como a palavra "passadiço" pode levar a pensar.

Em relação ao grupo, composto por 12 caminheiros portou-se lindamente e no final "castigou-se" em Alvarenga com o famoso bife local, bem regado claro!